3 dicas de limpeza que fizeram a diferença na minha vida

Como única responsável pela limpeza do meu apartamento, eu vivo procurando dicas (ou lifehacks, como gostam de dizer hoje em dia) para facilitar o meu trabalho. Aqui estão três dicas que eu testei e aprovei:

1 – Tirar manchas das paredes com pasta de dente: sinceramente, essa é a melhor dica  de limpeza que eu já recebi na vida! 😀  Basta colocar um pouco de pasta de dente sobre a mancha, esperar alguns segundos e remover com um pano úmido. Usei essa técnica para limpar marcas de lápis quando eu pintei as paredes da sala e do quarto, quando pendurei alguns quadros, e para tirar manchas ocasionais. É super rápido e funciona de verdade.

2 – Cobrir o topo dos armários com filme plástico: faça isso e, quando chegar a época da faxina, simplesmente substitua o pedaço de filme plástico por outro, ao invés de passar horas esfregando uma gosma de poeira e gordura.

3 – Usar vinagre para limpeza geral: fiz a receita de vinagre aromatizado do Um Ano Sem Lixo e estou usando diluído em água para limpar o chão. Tem o mesmo efeito que esses limpadores multiuso, com a vantagem de ser mais barato. O próximo passo é testar o vinagre para limpar superfícies (móveis/fogão/etc).

20170917_105152

Meu vinagre aromatizado com cascas de limão.

Vocês tem alguma dica boa de limpeza? Compartilhem comigo nos comentários!

Anúncios

Desafio: Faxina em Setembro

Nesse mês que passou, o Apartment Therapy lançou mais um desafio de organização de destralhe da casa – o September Sweep. O site postava apenas uma tarefa por dia, então eu resolvei escrever sobre do desafio apenas no final. Segue a lista de tarefas (as descrições completas estão no link anterior):

  1. Defina onde você vai armazenar os itens dos quais pretende se livrar.
  2. Coloque os cabides ao contrário no guarda-roupa, para identificar mais facilmente as roupas que não são usadas com frequência.
  3. Identifique o lugar com mais tralha acumulada e remova uma coisa de lá.
  4. Cronometre 20 minutos para arrumar a entrada da sua casa. Tire uma coisa da área da bagunça.
  5. Lide com a sua papelada e tire uma coisa da área da bagunça.
  6. Remova a maior quantidade possível de tralha do seu quarto em 20 minutos. Tire uma coisa da área da bagunça.
  7. Esvazie os armários e gavetas da cozinha e avalie o que guardar/jogar fora antes de arrumar tudo. Tire uma coisa da área da bagunça.
  8. Cronometre 20 minutos e tire o máximo de tralha possível do home office. Tire uma coisa da área da bagunça.
  9. Arrume os lugares onde você armazena comida. Tire uma coisa da área da bagunça.
  10. Tire o máximo de tralha possível da sala em 20 minutos. Tire uma coisa da área da bagunça.
  11. Livre-se de toda tralha relacionada a projetos e artesanato. Tire uma coisa da área da bagunça.
  12. Descubra jeitos de evitar trazer tralha para a casa. Volte à área da bagunça e tire uma coisa de lá.
  13. Escolha uma coleção de mídia para reduzir e trabalhe nisso. Tire uma coisa da área da bagunça.
  14. Avalie suas coisas de valor sentimental e defina o que não vai mais guardar. Tire uma coisa da área da bagunça.
  15. Identifique os cômodos ou espaços que tem mais tendência a atrair bagunça e crie neles uma mini “zona de tralhas”. Tire uma coisa da área da bagunça.
  16. Cronometre 20 minutos e remova o máximo possível de tralha do seu banheiro. Tire uma coisa da área da bagunça.
  17. Analise seu guarda-roupa e identifique pelos cabides as roupas que não foram usadas nesse período . Tire uma coisa da área da bagunça.
  18. Avalie as coisas que você guardou na caixa de “decidir o que fazer” e dê um destino a elas. Tire uma última coisa da área da bagunça e coloque nas caixas de “doar” ou “vender” ou jogue fora imediatamente.
  19. Lide com tudo o que você guardou nas caixas de “doar” e vender”.

Como foi o desafio para mim:

As tarefas de destralhar cada cômodo em 20 minutos eu nem precisei fazer, já que não costumo deixar bagunça em nenhum lugar da casa – se deixo por um dia, arrumo assim que posso. O que mais gostei foi identificar a minha “zona de tralhas” – minhas caixas de materiais para projetos e componentes de eletrônica – e tirar de lá tudo o que não uso. E como tinha coisa inútil nelas!

Duas coisas que ainda não fiz:

  1. Destralhar meus objetos de valor emocional, porque a grande maioria deles não fica no meu apartamento, mas em um baú na casa da minha mãe. Esse baú com certeza vai merecer um post só dele!
  2. Lidar com tudo o que guardei na caixa de doar/vender. Ainda não tive tempo.  😦

As fotos abaixo mostram os resultados do desafio:

20170917_134003

Coisas que vão ser doadas

Decidi doar todos os materiais de eletrônica que usei durante a faculdade, e os materiais de artesanato eu vou levar para a minha mãe.

20170917_133940

Coisas que foram jogadas fora

Uma sacola cheia de papéis e caixas de eletrônicos, outra com plásticos diversos, outra com não-recicláveis, uma prateleira de alumínio – tudo foi para a lixeira mais adequada. Os eletrônicos e pilhas eu não descartei ainda, já que não podem ser jogados no lixo comum. Sei de uma empresa em BH que recolhe, vou entrar em contato com eles.

Esqueci de tirar foto das roupas, mas o que eu tirei do meu armário foi:

  • 3 vestidos
  • 2 calças jeans
  • 1 short
  • 1 par de brincos
  • 1 gargantilha
  • 3 camiseta
  • 1 par de botas

Já posso considerar que a tradicional faxina de primavera da minha casa está prontíssima! Quem quiser aproveitar a lista para fazer uma faxina de Outubro, ou Novembro…

 

Estou no Instagram!

Criei um perfil no Instagram recentemente, para postar as fotos que tiro por aí, e como alguns leitores já perguntaram das minhas redes sociais, resolvi divulgá-lo aqui. Meu username é @barbaraips, fiquem à vontade para me seguir – mas como é um perfil pessoal, não devo postar sobre minimalismo lá.

Antigo Colégio Técnico de Campinas

A post shared by Bárbara Perdigão (@barbaraips) on

 

3 dicas para ter um smartphone menos poluído

Minha eterna busca por uma vida mais simples também passa pelo smartphone: procuro deixá-lo o menos “poluído” possível, faço destralhes constantes, desligo a maioria das notificações, tento não ocupar toda a memória disponível… Aqui estão três dicas que me ajudaram bastante nesse processo:

1 – Ocultar aplicativos que não são usados:

A maioria dos smartphones vem com aplicativos nativos inúteis, mas que não podem ser desinstalados. Felizmente, é possível ocultá-los e impedir que eles poluam o menu do telefone. Tutorial aqui (para Android).

2 – Desativar o download automático de mídia:

Não basta as pessoas te adicionarem em grupos do Whatsapp, elas também precisam mandar várias imagens e vídeos inúteis (ás vezes até pornográficos) para encher sua galeria de imagens e comprometer a memória do telefone. Foi uma bênção descobrir que é possível desativar o download automático de mídia, e hoje em dia o aplicativo só me mostra uma foto se eu clicar nela para baixar,  e dependendo de quem mandou eu nem me dou esse trabalho. Tutoriais de como fazer isso no Whatsapp e no Instagram.

3 – Bloquear notificações de aplicativos:

Grande parte dos aplicativos oferece a opção de desativar notificações, mas não todos. Um exemplo: eu passei um perrengue por semanas com o app do Itaú me enviando notificações de “Faz tempo que você não acessa o app, sentimos sua falta!” até descobrir que uma configuração do celular me permite bloquear todas as notificações de um aplicativo. Para telefones Android, basta ir em Configurações > Sons e Notificações > Notificações de aplicativo e escolher o aplicativo que você deseja silenciar.


Quem tiver mais dicas de como simplificar o celular, por favor compartilhe nos comentários!

Observando a cidade

Durante a semana passada eu escutei uma série de podcasts chamada Bored and Brilliant,cujo objetivo é propor uma vários desafios para que os ouvintes larguem um pouco os smartphones e passem a exercitar a criatividade.

O desafio proposto para o quinto dia é ir até um lugar público e observar algo com atenção, ao invés de ficar concentrado no celular. Esse podcast me fez refletir um pouco mais sobre como eu tenho me tornado mais observadora, principalmente no que diz respeito à cidade onde eu vivo.

Ano passado eu comecei a seguir uma página no Facebook, a Casas de BH. Nessa página, um arquiteto posta várias fotografias de casas antigas que ele vê pela cidade. Eu, que achava as fotos sempre muito bonitas, passei a reparar mais  nas casas e prédios ao meu redor durante minhas andanças e acabei descobrindo muitas construções interessantes – algumas, inclusive, estavam no meu caminho diário para o serviço e eu simplesmente não tinha reparado antes.

Eu percebi há algum tempo que quando eu visito um lugar novo eu adoto uma postura diferente: observo a cidade com atenção e quero absorver o máximo possível, principalmente porque o tempo é curto e não é possível ver tudo. Agora, porquê não fazer isso na minha própria cidade? Eu moro em BH há 7 anos e não conheço vários lugares daqui. Para vocês terem uma ideia, eu moro praticamente do lado do Parque Municipal e há duas semanas pisei lá pela primeira vez desde que mudei pra cá. Eu vivia na cidade sem vê-la, de fato.

Hoje eu sou mais consciente do espaço ao meu redor quando me movimento pela cidade, fico atenta para novidades e principalmente para as construções antigas, que eu adoro ver. Também tiro algumas fotos, mas prefiro não fotografar tudo o que vejo porque a foto nunca sai tão bonita quanto o que está sendo fotografado! Por fim, às vezes eu fico curiosa sobre um prédio e acabo pesquisando sobre a história dele e aprendendo mais.

Em resumo, observar a cidade é gratificante para mim.

IMG_20170902_150825_605

Edifício Chagas Dória em BH

 

 

DIY – Caixa organizadora de rolos

Nos posts da semana passada sobre a reorganização da minha cozinha eu mencionei que fiz uma caixa para colocar rolos de papel-alumínio e afins. Minha inspiração foi um post do Apartment Therapy, mais precisamente essa imagem:

Fonte: Apartment Therapy, post linkado acima.

Não queria pendurar nada na porta do armário, então imaginei que poderia reciclar qualquer caixa para fazer um organizador parecido. Usei uma caixa de cereal, e fiz o seguinte:

  1. Fiz um corte com estilete no meio da caixa e nas laterais, dobrei, e colei uma metade na outra.
  2. Cobri a caixa com papel branco, depois com um papel estampado que tinha em casa, para ficar mais bonito.
  3. Revesti a caixa com papel contact para proteger de gordura ou eventuais manchas de comida.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Aqui está o resultado:

20170807_222635

Simples, né? Agora meus rolos estão organizadinhos e não ficam expostos do lado de fora do armário.

Reorganizando a minha cozinha (Parte II)

Como prometido no post de segunda-feira, aqui estão os resultados da reorganização da minha (mini) cozinha:

20170826_104820

Prateleiras organizadinhas

Na prateleira mais baixa eu coloquei os itens que uso quase diariamente: latas de café e açúcar, caixa de chás, cafeteira e temperos. Usei um organizador de prateleira para dispor os potes de temperos em duas camadas e facilitar a visualização (aproveitei que estive em São Paulo no início do mês e comprei esse na Daiso, baratíssimo). Na prateleira mais alta eu coloquei os itens que uso menos, como a garrafa térmica, cestos organizadores e potes de vidro.

O armário agora está bem mais organizado:

20170826_121320

Na prateleira de cima ficam as vasilhas de plástico, na de baixo ficam os mantimentos.

20170826_121343

No espaço sem prateleira: mais mantimentos e outras utilidades de cozinha

Fiz uma caixa especial para armazenar os rolos de papel-alumínio, papel-manteiga e papel-filme, além das caixas de saco ziplock. A única coisa me incomodando é o rolo de papel-toalha, quero arranjar um lugar melhor para colocá-lo.

Nos nichos laterais do armário ficaram um pote com saquinhos de aveia e castanhas, e outros temperos mais “feios” que eu não quis colocar na prateleira: shoyo, molho de pimenta e vinagre.

20170828_222129

Nada de rolos de papel alumínio escapando dos nichos

Estou finalmente livre da bagunça na cozinha! Anda sofro com uma séria falta de espaço, mas pelo menos tenho um acesso mais fácil aos alimentos e aos utensílios quando quero cozinhar. Ainda sonho com uma cozinha onde também caibam a minha geladeira e minhas panelas, mas essa nova organização já foi um progresso ! 😀

Reorganizando a minha cozinha (Parte I)

Como vocês já sabem, moro num apartamento bem pequeno, e a minha cozinha é uma das menores que já vi.  Essas fotos mostram bem a gravidade da situação:

Com tão pouco espaço disponível,  armazenar mantimentos e utensílios de culinária apenas na cozinha é impossível, por isso eu fiz a seguinte divisão: panelas e eletrodomésticos ficam no paneleiro, na sala, comidas e vasilhas de plástico ficam no armário da cozinha. Não sei se mencionei antes, mas a geladeira também fica na sala. 😀

Tudo estava indo mais ou menos bem até eu precisar trocar o armário da cozinha – acabei comprando um ligeiramente menor, e então todo o esquema de organização que eu mostrei no link anterior foi por água abaixo. Meu armário novo estava super bagunçado e muita coisa não cabia:

Depois de quebrar a cabeça tentando achar a melhor solução, resolvi optar pelo mais óbvio e instalar duas prateleiras na parede oposta ao armário. Não gosto muito de prateleiras porque meu apartamento acumula muita poeira, mas eu não tinha outra opção.

Instaladas as prateleiras, o passo seguinte foi definir o que eu colocaria nelas: queria deixar apenas os itens “menos feios” expostos. Isso levou a uma terceira reorganização dos meus temperos (já fiz assim e assim). Como passei a comprar a granel, eles não cabiam mais nos potinhos onde eu costumava guardá-los, então resolvi colocá-los em potes de vidro reaproveitados de geleias, molhos e afins.

20170715_154844

Escrevi o nome de cada tempero em seu respectivo pote, com caneta marcadora (a mesma que eu usei para decorar a parede do quarto!)

Também comprei duas caixas organizadoras empilháveis para guardar os temperos que sobraram:

No próximo post eu mostro como a cozinha ficou!

Compras (frustradas) para a pessoa que eu queria ser

Quem nunca comprou alguma coisa pensando não no valor que ela traria para a sua vida no momento da compra, mas no futuro, e acabou esquecendo essa compra em um armário qualquer? Eu sempre.

Um post no The Financial Diet sobre aspirational spending –  o hábito de comprar coisas que se adequam a uma versão idealizada de você mesma, e não à real  – me fez refletir sobre todas as compras que fiz (e ainda faço às vezes) que, em teoria, me transformariam em uma pessoa melhor. Mudar de estilo, ser mais saudável, adotar um novo hobby… Cada compra trazia a esperança de alcançar a pessoa que eu desejava ser mas, como previsto, nunca se concretizava:

  • Roupas/sapatos/acessórios que não tinham nada a ver comigo: hoje em dia não faço mais isso, mas antes de entender meu estilo e criar um guarda-roupa minimalista eu vivia comprando roupas que achava lindas mas não usava por um motivo ou por outro. Quando era adolescente também acontecia muito de comprar algo “mais feminino” só por pressão da minha mãe, como sapatos de salto alto. Tudo acabava encalhado no armário.
  • Planos de academia que não aproveitei como deveria: preciso fazer musculação. Odeio musculação. Não vou na academia. Jogo dinheiro fora.
  • Materiais para projetos que nunca foram executados: eu tenho muitas ideias para projetos de decoração, mas ás vezes eu me empolgo, compro os materiais e percebo que não vai ficar bom, ou acabo deixando para depois e nunca faço.
  • Cadernos maravilhosos que ficaram intactos na minha escrivaninha:Vou fazer um diário de viagens para registrar as lembranças dos lugares que eu visitar, vai ser ótimo”. Eu só não contei com a preguiça de escrever.
  • E-books que nunca foram lidos: quando comprei meu Kindle eu realmente pensei que ele iria facilitar a minha vida – e facilita, quando eu me digno a pegá-lo para ler alguma coisa, o que não tem acontecido com muita frequência.
  • Jogos que estão esperando no computador: chega a época de Steam Sales e eu compro pelo menos 4 jogos em promoção, me parabenizo por ter gastado menos que R$ 20, jogo um deles, esqueço os outros, e repito o processo no semestre seguinte.
  • Produtos de beleza que ficaram encalhados no banheiro: durante meu tratamento contra a acne, minha pele ficou muito seca então comprei um hidratante corporal. Minha pele continuou seca porque eu nunca lembro de passar o hidratante, e quando lembro fico com preguiça e acabo não usando.

Confesso que fazer essa lista me deixou um pouco revoltada, tanto com a minha ingenuidade de achar que adotaria certos hábitos quanto com o dinheiro desperdiçado nessas compras. Além disso, percebi que eu não estou organizando muito bem o meu tempo, porque eu gostaria de ler mais e de zerar meus jogos, mas nunca dá, já que eu estou sempre ocupada com outras coisas. Por fim, a lição que fica é que eu preciso refletir bastante antes de comprar coisas: elas precisam ser úteis para mim, não para a Bárbara que existe na minha cabeça – por melhor que ela seja.

4 dicas para ter um guarda-roupa mais minimalista e sustentável

Ter um guarda-roupa minimalista não se resume apenas à quantidade de itens no armário – o modo como escolhemos, compramos e cuidamos de roupas, sapatos e acessórios é uma parte muito importante nesse processo. Hoje vou listar quatro práticas que adotei e não tem a ver com destralhe, definição de estilo ou criação de armário-cápsula, mas ajudam bastante a ter um armário mais minimalista:

1 – Consertar:

Antes de substituir uma roupa ou sapato que estragou, avalie se não é possível consertá-lo. Geralmente o custo-benefício é melhor e você não passa pelo estresse de procurar uma peça que te agrade, seja de qualidade e tenha um bom preço. Eu estava planejando comprar um novo par de botas para o inverno (até coloquei na minha lista), mas pensei melhor e decidir mandar reparar o meu par antigo, que estava perdendo as solas. Infelizmente o revestimento delas começou a descascar também, e isso não tem conserto, então precisei comprar um novo par. Contudo, o meu par antigo durou até agora, e isso me possibilitou achar um modelo muito parecido numa liquidação, o que já fez o conserto valer a pena.

2 – Customizar:

Às vezes o único problema com uma roupa é que ela já não nos agrada tanto. Nesses casos, antes de vender ou doar uma peça, avalie se não é possível customizá-la ou até mesmo transformá-la em outra (por exemplo: transformar uma calça jeans em shorts). Eu tinha uma blusa preta básica e nunca a usava por achá-la muito sem graça. Então procurei algumas ideias de customização no Pinterest, pedi para minha mãe me ajudar com a costura, e o resultado foi esse:

3 – Comprar usado:

Nunca tinha comprado em brechós, mas resolvi dar uma chance no mês passado, quando procurava um casaco mais quentinho para enfrentar o inverno. Passei por várias lojas mas nenhum modelo que vi me agradou – tinha muita coisa cara e de baixa qualidade – até que encontrei um casaco bem do jeito que eu queria, por um preço ótimo, num brechó perto do meu trabalho. Ao comprar roupas usadas, é importante garimpar e avaliar bem o custo-benefício, e não abusar  só por causa preço baixo.

4 – Comprar de quem faz:

Na hora de comprar roupas novas, caso seja possível, dê preferência às pequenas confecções ao invés das grandes marcas e das lojas de fast-fashion, assim você incentiva a produção local, paga um preço justo pelo trabalho de quem fez a roupa, e muitas vezes consegue um produto sob medida. Um exemplo: acabei de comprar o vestido da foto abaixo na loja Kisielevski por R$ 97,75 (com o frete). O vestido é muito bem feito e, além disso, tem bolsos! Considerando que qualquer vestidinho numa loja de fast-fashion custa o mesmo tanto ou mais (ainda que seja confeccionado num tecido pior – e sem bolsos), foi uma ótima compra.

20170821_231505_LLS

 

Alguém mais tem dicas para um guarda-roupa minimalista? Comentem!