Compras (frustradas) para a pessoa que eu queria ser

Quem nunca comprou alguma coisa pensando não no valor que ela traria para a sua vida no momento da compra, mas no futuro, e acabou esquecendo essa compra em um armário qualquer? Eu sempre.

Um post no The Financial Diet sobre aspirational spending –  o hábito de comprar coisas que se adequam a uma versão idealizada de você mesma, e não à real  – me fez refletir sobre todas as compras que fiz (e ainda faço às vezes) que, em teoria, me transformariam em uma pessoa melhor. Mudar de estilo, ser mais saudável, adotar um novo hobby… Cada compra trazia a esperança de alcançar a pessoa que eu desejava ser mas, como previsto, nunca se concretizava:

  • Roupas/sapatos/acessórios que não tinham nada a ver comigo: hoje em dia não faço mais isso, mas antes de entender meu estilo e criar um guarda-roupa minimalista eu vivia comprando roupas que achava lindas mas não usava por um motivo ou por outro. Quando era adolescente também acontecia muito de comprar algo “mais feminino” só por pressão da minha mãe, como sapatos de salto alto. Tudo acabava encalhado no armário.
  • Planos de academia que não aproveitei como deveria: preciso fazer musculação. Odeio musculação. Não vou na academia. Jogo dinheiro fora.
  • Materiais para projetos que nunca foram executados: eu tenho muitas ideias para projetos de decoração, mas ás vezes eu me empolgo, compro os materiais e percebo que não vai ficar bom, ou acabo deixando para depois e nunca faço.
  • Cadernos maravilhosos que ficaram intactos na minha escrivaninha:Vou fazer um diário de viagens para registrar as lembranças dos lugares que eu visitar, vai ser ótimo”. Eu só não contei com a preguiça de escrever.
  • E-books que nunca foram lidos: quando comprei meu Kindle eu realmente pensei que ele iria facilitar a minha vida – e facilita, quando eu me digno a pegá-lo para ler alguma coisa, o que não tem acontecido com muita frequência.
  • Jogos que estão esperando no computador: chega a época de Steam Sales e eu compro pelo menos 4 jogos em promoção, me parabenizo por ter gastado menos que R$ 20, jogo um deles, esqueço os outros, e repito o processo no semestre seguinte.
  • Produtos de beleza que ficaram encalhados no banheiro: durante meu tratamento contra a acne, minha pele ficou muito seca então comprei um hidratante corporal. Minha pele continuou seca porque eu nunca lembro de passar o hidratante, e quando lembro fico com preguiça e acabo não usando.

Confesso que fazer essa lista me deixou um pouco revoltada, tanto com a minha ingenuidade de achar que adotaria certos hábitos quanto com o dinheiro desperdiçado nessas compras. Além disso, percebi que eu não estou organizando muito bem o meu tempo, porque eu gostaria de ler mais e de zerar meus jogos, mas nunca dá, já que eu estou sempre ocupada com outras coisas. Por fim, a lição que fica é que eu preciso refletir bastante antes de comprar coisas: elas precisam ser úteis para mim, não para a Bárbara que existe na minha cabeça – por melhor que ela seja.

12 comentários sobre “Compras (frustradas) para a pessoa que eu queria ser

  1. Nossa, me identifiquei tanto nesses aspectos: roupas/sapatos/acessórios, materiais para projetos e produtos de beleza!!! Vou parar para refletir sobre isso….

  2. Olá, mulher você me definiu kkkkkkk
    Nossa na boa fico na bad quando vejo as coisas que gastei e não usei e não sei quando vou usar, sobre as roupas até hoje estou meio empacada,amo vestidos, nos outros, em mim acho muito estranho, então tenho vários vestidos parados no armário esperando o dia especial kkkk
    Academia desisti, acho que é mais fácil comprar um aparelho, só fui uma vez e odeio o ambiente, mas meu corpo já sente falta de exercício.
    Materiais, cadernos… vixe sou mestre em guardar e só lembrar um anos depois, quando aos e-books a loucura estava tanta que tinha uma lata com o nome de cada um para sortear para ler. Claro que não deu certo né!
    Quanto aos produtos de beleza estou me policiando, escolho 1 e tento usar quando não esqueço ou quando não estou em algum tratamento, já consegui esvaziar alguns, mas um dia consigo.

    • Oi Ane! Eu também fico com raiva quando vejo que gastei à toa com algo… Felizmente com as roupas eu já aprendi a separar o “achei lindo e usaria” do “achei lindo mas só no manequim/na modelo”, facilitou demais a minha vida. 😀

      A gente tem que se policiar mesmo ou vai comprando coisas sem nem perceber… Espero que agora eu preste mais atenção ao motivo pelo qual estou comprando.

  3. bom dia Barbara
    que texto maravilhoso…faz a gente refletir e chorar tambem…kkkkk
    mas hoje nao compro mais nem a metade do que eu comprava no passado entao vejo que melhorei bastante e as vezes ainda dou um vacilo vc acredita que nessa semana de frio eu comprei varias caixas de cha pra tomar a noite porque estava frio e seria mais saudavel etc porem o problema e que nao gosto de cha e ficou tudo la no armario…tudo bem, e baratinho mas so pra ver como a gente se ilude…precisamos nos policiar ate nos baratinhos
    bjs
    boa semana pra vc

    • Oi Helen! Desculpe, mas eu ri das suas compras de chás… 😀 Eu também já cansei de comprar coisas porque estavam baratas e acabar não usando, hoje tenho me policiado mais, mas é fácil vacilar. Boa semana!

  4. Pq raios a gente idealiza tanto uma pessoa que não somos e, às vezes, nem queremos ser???
    Acho q acontece com tds nós, né?
    Me sinto assim 99% do tempo e, no meu caso, acho q é pq estou perdida mesmo. Falta foco, propósito, rumo e sem essas coisas fica complicado não sair “atirando” pra tudo q é lado e gastando tempo, dinheiro e energia em coisas que não me representam de verdade.
    Eu tô com um mega problema de coluna e, por pior que seja, está me ajudando a ter UMA coisa em mente: minha saúde! A verdade é que eu vulgarizei a palavra prioridade, então nada é prioridade de verdade, né?
    Baby steps devem ajudar nesses casos, espero 😉
    Um beijo e obrigada por mais uma ótima reflexão!

    • Oi Camila! Eu também ando com essa sensação, parece que tenho mil coisas para fazer e não consigo fazer nada, tento focar em uma área mas dá tudo errado… Aff! Depois desse texto eu estou tentando prestar mais atenção nos motivos pelos quais eu compro qualquer coisa, mas é complicado, viu?

      Espero que você melhore logo! Abraços

  5. Olá, me identifiquei tanto com seu texto. =)
    Não gosto de musculação, por isso faço exercícios em casa.. Não posso me empolgar muito com essas coisas pq começo focada e então me dá preguiça e deixo de lado.
    Ser mais vaidosa foi sempre uma cobrança minha. Mas, quando vejo saio sem maquiagem sempre, esqueço o tal creme corporal. Não faço aquela hidratação no cabelo e por ai vai. E prestando atenção no que eu queria ser X quem realmente sou. Percebi que se eu fizesse algumas alterações poderia melhorar.
    A maquiagem quando quero é a mais simples. creme no corpo só naqueles dias que a gente acorda com bom humor p tudo? do contrário um bom sabonete tá ótimo. ( glicerinado). Ao invés de fazer hiperidratação no cabelo eu compro um shampoo e condicionador bom + creme de pentear e óleo de coco.
    Tudo isso descobri na tentativa e erro. Não vou ser fitness, nem fazer cronograma capilar e muito menos aprender maquiagens elaboradas. Mesmo que ache legal essas coisas, elas não combinam comigo.

    Adorei teu texto. =D

    • Oi Pamella, obrigada por comentar! Eu também estou tentando fazer algumas alterações para melhorar a minha vida, mas ainda cometo alguns vacilos. Assim como você, tem certas coisas que eu acho muito legais mas sei que não vou fazer. 😀 Abraços!

  6. Uma época me entupi de esmaltes porque coloquei na cabeça que faria as unhas toda semana, acho lindo e elegante unhas feitas. Comecei na maior empolgação, esmaltes de tudo que é cor …até que deixei para lá e os esmaltes ficaram. Às vezes é com maquiagem … compro, digo que vou usar porque todos usam mas na realidade só uso mesmo batom e lápis e já me convenci disso. Teve uma época que eu cismei que ia ser uma pessoa super organizada, comprei agenda, cadernos, etc. Mas na realidade eu começo a usar e depois não consigo mais.
    Com roupas é a mesma coisa. A gente acha legal, vê outras pessoas usando mas depois percebemos que não somos aquela pessoa. A gente acha que se comprar as coisas vamos nos obrigar a usar e começarmos a ser a pessoa que idealizamos. Com coisas de casa: você cisma que vai ser uma pessoa que vai receber convidados para almoços e jantares, porque alguém é e você achou legal. Aí compra travessas, copos, toalhas, utensílios de tudo que é tipo… mas na verdade você não é esta pessoa disposta a isso.
    A gente tem que se conhecer a fundo para não cair nessas armadilhas. Temos que ter muita segurança sobre quem somos e o que realmente gostamos.

    • Obrigada por comentar, Fernanda! Concordo muito com o que você falou no final, precisamos nos conhecer a fundo ou sempre cairemos nessas armadilhas. Modas vêm e vão, e algumas podem parecer interessantes no primeiro momento, mas precisamos tentar enxergar além da empolgação inicial e pensar se o novo hábito (ou roupa, ou coisa para a casa, ou produto de beleza) vai realmente acrescentar algo nas nossas vidas ou será só mais uma tralha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s