TAG: Felicidade é…

A Mari, do Frugalidades, me convidou para responder essa TAG, eu gostei muito da proposta. Vocês podem ler as respostas dela aqui. Minhas respostas:

1. O que você gosta de fazer quando está sozinha?
Gosto de ler, assistir filmes/séries ou jogar.

2. O que você gosta de fazer junto com outras pessoas (amigos, família ou namorado)?
Gosto de sair para comer e conversar ou ir ao cinema.

3. Pequenas coisas que te faziam feliz na sua infância:
Quando eu era criança, ficava animada com umas coisas bem bobas, tipo:

  • Andar de ônibus
  • Passar pelo túnel da lagoinha quando vinha para BH
  • Andar de escada rolante nos shoppings
  • Ver aviões passando no céu (e dar tchau 😀 )

4. Uma coisa que te deixou feliz essa semana:
Fiz um curso de bordado livre há algumas semanas e finalmente terminei a tarefa do curso! Não tive tempo de bordar todos os dias, então eu completei um pedaço do desenho por vez, e terminei nesse fim de semana.

20170521_110233-1

Meu bordado ❤

6. Cite 3 coisas que te deixam muito feliz:

  • Acertar as receitas que tento aprender
  • Conhecer lugares novos
  • Ter dias de folga

7. Complete: Felicidade é…
Viver tranquilamente e poder realizar seus sonhos.

8. Convide 3 pessoas para responder essa TAG:
Camila, do Desacelera, Camila!
Natalia, do E agora, Natalia?
Mary, do Vinte e Três

Em 2017 eu vou…

Após 2 anos realizando todas as minhas resoluções de ano-novo, em 2016 eu dei uma escorregada e acabei realizando apenas duas, das três que defini. Vamos esperar que isso não aconteça em 2017! Aqui vão as minhas metas para o próximo ano:

  1. Terminar o curso francês: o curso que faço tem apenas dois módulos (básico e pré-intermediário), com três semestres cada um. Devo terminar o último módulo em meados de julho, e talvez tente uma prova de certificação mais tarde.
  2. Passar no exame físico de faixa verde do Krav-Maga: fui mais relapsa com o Krav-Maga esse ano que no ano passado… De acordo com o meu professor, eu deveria fazer o primeiro exame de 2017 (em abril), mas não estou nem um pouco preparada. Agora quero voltar a treinar com mais afinco, não quero ficar na faixa laranja o resto da vida!
  3. Conhecer melhor a minha cidade: em março de 2017 farão 7 anos que eu moro em BH. Apesar de adorar essa cidade, me dei conta de que não a conheço tão bem! Sempre que viajo eu procuro conhecer os pontos turísticos das cidades que visito, mas quase não faço isso no lugar onde moro. Com isso, sinto que estou perdendo a oportunidade de descobrir coisas e lugares legais. Como não pretendo fazer nenhuma viajem longa no próximo ano, vou usar meu tempo livre para conhecer Belo Horizonte mais a fundo.
  4. Começar uma pós-graduação (extra): minha ideia inicial era terminar o francês, passar no exame de faixa e dar uma pausa para voltar a estudar. Como isso não vai acontecer (porque fui uma enrolada), acho melhor correr atrás da minha pós-graduação de uma vez. Ainda não tenho certeza de que poderei começar em 2017 – meu plano era me matricular no segundo semestre, mas tudo depende da minha condição financeira. Se não for possível, tento em 2018.

 

Um feliz 2017 a todos os leitores do Meu Diário Minimalista!

Minimalismo: até onde cheguei e para onde vou?

Passaram-se quase quatro anos desde que descobri e adotei esse estilo de vida chamado minimalismo, até hoje. Durante todo esse tempo, sempre busquei simplificar a minha vida cada vez mais, li vários materiais sobre o assunto e procurei realizar todas as práticas “básicas” de minimalismo que podia. Acontece que ultimamente ando com a impressão de que estou encontrando muito “mais do mesmo” nas minhas leituras, já que implementei grande parte das dicas que dão em blogs/sites sobre minimalismo.

Não acho que já sei tudo e sou a minimalistona, pelo contrário! Acredito que ainda tenho um longo caminho a percorrer para conseguir uma vida mais simples, mas quero sair do básico, do destralhe, do Desafio das 100 Coisas, do “corte gastos com TV a cabo e academia”. Para isso, analisei a minha trajetória no minimalismo desde o início do blog e listei as principais mudanças que fiz na minha vida até então:

  • Mudei minha mentalidade e meus hábitos de consumo
  • Me desafiei a ficar 1 ano sem compras
  • Destralhei minha casa e meu armário
  • Criei um guarda roupa minimalista, que atende as minhas necessidades
  • Passei a controlar minhas finanças e reduzi/eliminei vários gastos
  • Adotei a regra do “um-entra-um-sai
  • Inventariei minhas roupas, sapatos e acessórios
  • Adotei o faça-você-mesmo
  • Passei a me preocupar mais com organização
  • Passei a economizar mais e guardar dinheiro antecipadamente para compras/viagens ao invés de me endividar

E agora, como ir além?

  • Reduzir minha produção de lixo: o movimento “lixo zero” é tendência no mundo minimalista. Vou começar aos poucos, prestando atenção na quantidade de lixo que produzo em casa e reciclando, coisa que não faço atualmente.
  • Fazer compras de forma mais inteligente, principalmente no supermercado: sei que posso economizar mais se adotar hábitos básicos, como comprar em verduras em sacolões ao invés do supermercado, que não faço hoje por pura preguiça. Hora de mudar isso!
  • Organizar melhor a minha casa: não basta meu apartamento ser organizado, eu quero que ele seja organizado de uma maneira bonita.  😉
  • Usar meu tempo de maneira mais eficiente: eu vivo deixando algumas tarefas de lado (inclusive meu próprio sono) por má-administração do meu tempo.
  • Passar 1 ano sem compras novamente: na primeira vez que fiz o desafio, ainda era muito “imatura” no minimalismo e acabei comprando várias coisas. Pretendo cumprir o desafio certinho da próxima!
  • Mudar minha relação com as redes sociais: eu reclamo da falta de tempo, largo o celular, desativo meus perfis no Facebook e Twitter e logo depois estou de volta… As redes sociais (outros conteúdos da internet também, mas elas principalmente) são o meu fraco, e quero muito reduzir o tempo que gasto com elas.

Não pretendo deixar de fazer o básico: ficar de olho no consumo, não ceder às compras por impulso, economizar e destralhar periodicamente são práticas que devo levar para a vida toda. Ainda assim, é bom abrir espaço para o novo.

Mais, Menos e Nenhum

O post de hoje é inspirado nesse, do blog Be More With Less. A ideia é fazer três listas com as coisas que quero mais, menos, e as que eu não quero na minha vida, para então fazer as alterações necessárias. Minhas listas ficaram assim:

Mais

  • Tempo livre: ultimamente eu sinto que não tenho tempo para nada. Por mais que tenha muitos compromissos, sei que isso também se deve à procrastinação e a uma rotina meio desorganizada.
  • Hábitos saudáveis: preciso voltar a praticar exercícios físicos, quero comer mais alimentos saudáveis e reduzir fast-food e refrigerantes. Já fiz algumas mudanças na minha alimentação (como mostrei no desafio de comida saudável) mas ainda estou caminhando a passos lentos.
  • Horas de sono: estava seguindo minha rotina direitinho, mas aí veio Masterchef e eu desandei totalmente, passei a dormir tarde, acordar tarde e ficar sempre cansada. Depois de uns dois meses assim, só comecei a mudar meus hábitos de sono nessa semana.
  • Tempo com as amigas: só consigo sair com minhas amigas uma vez por mês, infelizmente é difícil para todas nós conciliar os horários livres. Ainda assim, gostaria de ter mais contato com elas, só preciso achar meios.
  • Comprometimento: com a minha rotina toda bagunçada ficou bem difícil me dedicar aos meus compromissos. Larguei a academia e o Krav-Maga (temporariamente) e fiquei meio relapsa com as tarefas da casa (e com meus projetinhos de decoração). Quero voltar a me organizar e me dedicar aos meus compromissos novamente.

Menos

  • Gastos: por mais que eu não gaste tanto com supérfluos quanto antes, ainda existem despesas que posso diminuir. Também gostaria fazer compras de forma mais “inteligente”, principalmente no supermercado.
  • Redes sociais: ainda perco bastante tempo navegando em redes sociais, e estou considerando desativar minhas contas no Facebook e no Twitter por um tempo.
  • Distrações durante as refeições: já larguei o hábito de mexer no celular durante o almoço, mas sempre tomo café da manhã olhando as redes sociais e quando estou em casa não sei almoçar/jantar sem a Netflix ligada.
  • Visitas a lojas online: às vezes abro sites de lojas só “para ver as novidades” (principalmente lojas gringas), e mesmo sem comprar nada, isso acaba alimentando o desejo de consumir.

Nenhum

  • Ler os comentários/tretas de internet: sempre que abro algum post no Facebook ou alguma notícia acabo lendo os comentários e só fico decepcionada, principalmente quando o assunto é feminismo ou política. É triste ver o quanto as pessoas se prendem ao senso comum, e como elas não vão mudar a mentalidade, é melhor me abster de ler esse tipo de coisa, pelo meu próprio bem.
  • Convívio com pessoas tóxicas: por mais que eu seja “obrigada” a conviver com algumas pessoas com as quais não tenho afinidade (no trabalho, por exemplo), pretendo manter essa convivência apenas dentro do mínimo necessário.

 

Dá para perceber que a maioria dos itens dependem de uma alteração na minha rotina, né? Já comecei a fazer algumas mudanças e espero mantê-las. É um processo gradual e vai exigir bastante comprometimento para manter a minha rotina nos eixos, mas vai valer a pena.

A vida que eu quero

Outro dia eu estava navegando pelo Tumblr e vi um post que me tocou bastante:

Tradução aproximada:

Conceito: eu termino a escola. O emprego que tenho não é meu trabalho dos sonhos mas eu gosto dele e trabalho bem ainda assim. Ele me paga o suficiente para cobrir todas as minhas necessidades. Minhas contas nunca estão atrasadas. Dinheiro não é uma preocupação. Eu tenho um lugar para morar. Meus cachorros também. Ele é bom e quente, eu tenho algumas plantas, minhas estantes estão cheias de livros, meus lençóis estão sempre limpos. Tenho tempo para ler no fim do dia. Eu leio bastante. Pensar é uma coisa boa. Eu me encontro regularmente com amigos, novos e velhos. Eles me amam. Nós criamos memórias. Eu não tenho nada do que me envergonhar. Eu viajo algumas vezes por ano, sempre para lugares diferentes. Os lugares que eu vejo me tiram o fôlego. As pessoas que eu encontro me ensinam sobre a vida. Elas são boas. Não existe guerra. O mar me chama e eu faço uma visita. Eu sou independente. Eu sou feliz.

Tirando alguns pequenos detalhes, como ter cachorros (preferiria um gato) ou ter vários livros (sou mais o kindle), eu mesma poderia ter escrito esse texto. É engraçado que sempre que penso em como seria a “vida perfeita” para mim, sempre me vêm duas imagens: a vida maravilhosa – ser rica, não precisar trabalhar, viver viajando – e a realista, que é basicamente a que foi descrita nesse post de Tumblr.

Ultimamente eu tenho pensado bastante nessa vida que eu quero ter. Não posso negar que já conquistei muito do que eu queria: eu moro sozinha, como sempre quis. Trabalho na minha área de formação, e apesar de não ser despreocupada com dinheiro, tenho o suficiente para me manter e guardar para o futuro – o que, infelizmente, não é realidade para grande parte das pessoas no Brasil. Encontro minhas amigas uma vez por mês, e apesar de achar pouco, sempre fico feliz em vê-las. Meus lençóis também estão sempre limpos, o que é ótimo!

Ainda assim, algumas coisas me faltam. Não estou muito feliz com o meu trabalho, e quase não sobra tempo para fazer as coisas que gosto. Acho exaustiva a jornada de trabalho de 40h semanais, mas por enquanto não tenho como fugir disso. Queria poder viajar mais e conhecer novos lugares, mas tenho medo de gastar com viagens um dinheiro que pode fazer falta no futuro. E nesse momento caótico da política nacional, tenho muito medo de a situação econômica piorar tanto que eu perca tudo o que conquistei até hoje (e nem falo só por mim, dessa vez).

Vejo muito por aí, principalmente nas redes sociais, pessoas reclamando de não saberem o que querem da vida aos 20 e tantos anos, de estarem “perdendo tempo” e de não serem bem-sucedidas. Eu mesma me sinto assim às vezes, e ler esse post me ajudou um pouco a enxergar que não é bem assim, que, devagarinho, eu estou conquistando a vida que eu quero. Eu sei que meus sonhos são realizáveis, e sei que vou alcançá-los, no que depender de mim.

Em 2016 eu vou…

Em primeiro lugar, tenho a alegria de dizer que realizei todas as minhas metas para 2015. A técnica de definir poucas resoluções de ano-novo, que sejam “realizáveis” e não mirabolantes, tem funcionado bem para mim!  Para o próximo ano, meus objetivos são:

  1. Economizar ainda mais e ter um controle melhor da minha vida financeira: A área de finanças é uma das que mais tem melhorado na minha vida, graças a muito esforço e depois de muitos erros. Tenho bastante disciplina para economizar e controlar meus gastos, mas no ano que vem (e nos próximos 2 anos, pelo menos) eu vou precisar exercer este controle ao máximo. Logo logo faço um post explicando melhor meus objetivos financeiros.
  2. Me preparar bem para o exame de faixa verde do Krav-Maga: A partir da faixa verde, além do exame “técnico”, em que o Mestre avalia se os alunos aprenderam e podem executar os golpes corretamente, temos também que realizar um exame físico bastante pesado, com corrida, abdominais, flexões, barras… Eu comecei a fazer musculação esse ano ainda, mas fui extremamente relapsa (eu realmente detesto malhar) e quase não tive aproveitamento, e faltei bastante nas aulas de Krav-Maga também. Em 2016 eu quero levar meu treino mais a sério, pois quero muito passar nesse exame.
  3. “Terminar” de decorar meu apartamento e deixá-lo mais organizado: digo terminar entre aspas porque acho que uma casa nunca está 100% pronta e decorada, sempre queremos fazer uma mudança ou outra… Mas ainda tenho uns projetos de decoração que quero realizar no meu apartamento, e depois quero melhorar como organizo os ambientes.

É isso, então! Feliz 2016 a todos!

10 coisas que eu aprendi morando sozinha

Semana passada foi meu “aniversário” de 1 ano morando sozinha. Inspirada no post The Things Living Alone Will Teach You About Yourself , do Apartment Therapy, resolvi fazer uma lista das coisas que eu aprendi durante esse primeiro ano.

Morando sozinha, eu aprendi que…

  1. Os maiores problemas vão vir bem no início, e todos de uma vez: vazamento no banheiro, máquina de lavar que não funciona, chuveiro explodindo e mil outras coisas, todas elas apareceram nos primeiros meses depois que eu mudei, e foi bem desesperador. Eu perdi a calma muitas vezes, mas felizmente consegui resolver tudo da melhor forma possível.
  2. Decorar a casa é mais caro e complicado do que eu pensava: eu esperava que conseguiria decorar completamente o apartamento nesse primeiro ano – ledo engano! Ainda faltam algumas coisas, e não é sempre que tenho dinheiro para comprar o que quero (mesmo não querendo coisas caríssimas). É preciso ter paciência, no fim das contas.
  3. Não é fácil achar seu “estilo de decoração”: eu sei de que tipo de coisa eu gosto, mas não sei qual é o meu estilo propriamente dito.  Às vezes eu cometo erros, compro uma coisa e vejo que ela não ficou boa no apartamento, mas vou tentando contornar isso.
  4. Manter a casa limpa, apesar de ser difícil, é o melhor a fazer: minha limpeza diária da casa caiu por terra, porque eu simplesmente não tenho tempo nem disposição para fazer limpeza todos os dias. Agora eu limpo o apartamento e lavo roupa 1x por semana, e tudo bem. O importante é não deixar acumular sujeira, porque no final das contas, só vai sobrar mais trabalho para mim.
  5. É ok deixar certas coisas para depois: tudo bem deixar a louça suja na pia à noite e lavar só no outro dia. Tudo bem esquecer de lavar o pano de prato numa semana, tudo bem só guardar as roupas secas 3 horas depois de recolhê-las da máquina. Não é sempre que eu faço isso, mas às vezes eu estou cansada, e minha sujeira ou bagunça não vai afetar ninguém além de mim.
  6. Comprar e armazenar comida para uma pessoa só é bem complicado: eu gosto bastante de cozinhar, mas nunca acerto na quantidade de comida que devo comprar para a semana. Às vezes compro demais e perco algumas coisas. Às vezes compro pouco e no fim da semana não tem quase nada para comer em casa. Ainda preciso aprender a fazer isso direito.
  7. Lidar com as contas da casa é mais fácil do que eu imaginava: por incrível que pareça, eu efetivamente gosto de ir ao banco e pagar minhas contas. Nunca perco prazos (só uma vez esqueci de pagar a conta de luz no dia do vencimento 😦 ), costumo pagar tudo com pelo menos dois dias de antecedência, e sempre confiro se as contas no débito automático estão sendo pagas.
  8. Às vezes eu não tenho nada para fazer em casa… E isso é bom: de vez em quando fico à toa em casa, e se não quero ler/ver filmes ou séries/jogar no computador eu acabo fazendo um projeto DIY ou lidando com algum problema da casa que adiei. Às vezes fico entediada mesmo, e saio para um cinema ou algo parecido.
  9. Os erros que eu cometi serviram de aprendizado: com o registo de água que não funciona no meu apartamento, aprendi que sempre devo verificar registros quando visitar um lugar para alugar. Aprendi que posso fazer alguns consertos sozinha, e outros eu preciso chamar um profissional para fazer… E assim por diante.
  10. Não há lugar melhor do que o lar: todo dia quando eu saio do elevador e vejo a porta do meu apartamento no fim do corredor, eu já fico feliz. Todo dia quando eu chego em casa, abro a porta e vejo que está tudo do jeito que eu deixei, eu fico feliz. Eu não canso de repetir isso, mas morar sozinha foi a decisão mais certa que tomei, e depois de um ano e todos os problemas que tive que enfrentar, eu não me arrependi nem um pouco, porque eu sei que estou no “meu” lugar.

Pequenas felicidades

Dizem que um dos princípios do minimalismo é encontrar a felicidade nas pequenas coisas, e se satisfazer com experiências e não com posses. Partindo desse ponto, criei uma lista com 10 coisas simples que me deixam feliz, e não exigem condições especiais para acontecer.

  • Tomar chá e comer panquecas
  • Acordar naturalmente e descansada
  • Encontrar minhas amigas para conversar
Fonte: Pinterest. Link na imagem.
  • Acertar na receita e comer uma ótima comida
  • Passar um fim-de-semana preguiçoso com o meu namorado
  • Passear de bicicleta
          Fonte: Pinterest. Link na imagem.
  • Completar uma fase muito difícil de um jogo
  • Ler um livro/ver um filme ótimo a ponto de ser absorvida pela história
  • Me enrolar no edredom/cobertor num dia frio e ficar quentinha
  • Aproveitar o sol
Fonte: Pinterest. Link na imagem.

Quais são as pequenas coisas que deixam vocês, leitores, felizes? Comentem!

Hoje é meu aniversário

Hoje eu completo 25 anos! Por isso, preparei um post especial: uma lista de 25 fatos sobre a minha pessoa, para compartilhar com vocês, leitores do blog. Eu quis fugir um pouco do tema principal desse site, então só citei coisas comuns e aleatórias, mas que dizem bastante sobre mim. Espero que gostem.

25 fatos sobre mim:

  1. Amo chás
  2. Sou feminista
  3. Adoro gatos pretos
  4. Sou muito chata para comer, gosto de poucas frutas/verduras/legumes, só agora estou aprendendo a comer melhor
  5. Quando era criança, lia a revista W.I.T.C.H e queria ser bruxa
  6. Gosto do cheiro de notas de dinheiro novas
  7. Gosto de tocar nas coisas para sentir a textura delas (chão, parede, plantas, qualquer coisa)
  8. Amo chocolate
  9. Comecei a namorar pela primeira vez com 23 anos
  10. Meu pai morreu quando eu tinha 5 anos, tenho um irmão mais novo, minha mãe criou nós dois sozinha
  11. Até hoje, só saí de MG 4 vezes: fui uma vez ao Espírito Santo (Vitória), nas outras três fui a São Paulo
  12. Sou bem preguiçosa
  13. Nunca fui muito estudiosa, mas sempre tirei boas notas só prestando atenção nas aulas e fazendo os deveres
  14. Queria ter feito faculdade de Oceanografia, mas minha mãe não me deixou sair do estado para estudar
  15. Nunca viajei para o exterior, mas quero ir um dia, e quero ver neve também
  16. Gosto muito de ficção científica
  17. Rôo as unhas às vezes
  18. Tenho um perfil no Twitter e vivo reclamando da vida nele
  19. Sou muito tímida e acho difícil conversar com pessoas desconhecidas
  20. A maioria das minhas roupas é azul
  21. Fiz um curso de exatas mas sou péssima em fazer contas de cabeça
  22. Às vezes fico muito empolgada com filmes/séries/jogos e falo com os personagens
  23. Sinto mais frio que a maioria das pessoas
  24. Amo morar sozinha. Acho que foi a decisão mais acertada que já tomei na vida.
  25. Na cozinha, sou melhor para fazer pratos doces que salgados, e amo fazer tortas.

 

25 anos! Link para a fonte na imagem.