DIY – Instalando uma cortina para pia

Uma das desvantagens de morar de aluguel é não poder fazer certas mudanças na casa – por falta de permissão, de dinheiro ou de ambos – então precisamos dar um jeito com o que temos em mãos. Às vezes, isso significa adotar tendências que odiamos: no meu caso, a famosa cortina de pia.

20170421_200030

Como era a pia antes

Na minha cozinha não tem armários sob a pia, e ultimamente eu estava ficando cada vez mais incomodada com a feiura das coisas embaixo dela (botijão, lixeira e sacolas de lixo reciclável), mas não conseguia pensar num jeito de escondê-las. Como mandar fazer um armário é inviável, a única alternativa foi instalar uma cortina.

Os materiais que usei foram:

  • Varão extensível
  • Suportes para varão
  • Argolas com clipe “jacaré”
  • Um pedaço de algodão cru

Para instalar o varão, colei os suportes na parte de baixo da pia com cola quente, já que não tinha jeito de furar. Minha mãe cortou e costurou o pano da cortina, e eu tingi. Pendurei a cortina com as argolas e pronto.

  Desculpem a louça suja na foto

Não vou dizer que está bonito, mas ficou o melhor possível dentro das circunstâncias. Pelo menos não tem mais lixo exposto na cozinha! Só espero que meu próximo apartamento tenha armários.  😀

5 habilidades que ajudam a economizar dinheiro (e tempo)

A princípio, o título desse post seria “5 habilidades essenciais para quem mora sozinho”, mas eu percebi que tudo na lista é importante para qualquer pessoa que precise “se virar” algum dia na vida, morando sozinha ou não! Vamos a elas:

Cozinhar: essa é primordial. Não precisa ser um chef, mas é importante saber o básico: um arroz, um macarrão, uma carne… Cozinhar em casa quase sempre é mais barato que comer fora, e costuma ser mais saudável também, já que a maioria dos deliverys é de fast-food. Sem contar que, ao saber cozinhar, você fica menos dependente de outras pessoas – não foram poucos os casos que ouvi de homens que ficam com fome em casa esperando a esposa chegar pra fazer a comida! Por favor, né?  😀

Fazer serviços domésticos básicos: varrer e passar pano no chão, lavar a louça, lavar roupa e etc até hoje são serviços bem simples que mantém uma casa limpa. Infelizmente, assim como cozinhar, esse trabalho é visto como obrigação feminina, mas como já disse nesse post, todos que compartilham uma casa devem se responsabilizar igualmente pelas tarefas. E quando a pessoa mora sozinha, é bom que ela saiba fazer o básico, assim não precisa gastar com faxineira. E mesmo que você contrate uma diarista de vez em quando, que coisa feia deixar a casa imunda só porque alguém vai limpar depois, não?

Fazer pequenos reparos em casa: trocar lâmpada e resistência de chuveiro, consertar torneira pingando, furar parede… Esses serviços são considerados masculinos, mas podem (e devem) ser feitos por qualquer pessoa. Desde cedo, na minha casa não tinha nenhum homem para fazer essas tarefas (meu pai morreu quando eu era bem nova), minha mãe fazia quase tudo e eu aprendi com ela. Morando sozinha, vi que chamar um profissional para fazer reparos sai caro, então eu faço tudo o que consigo. Tem muitos tutoriais na internet, a maioria das coisas não é tão difícil quanto parece.

Costurar: remendar buracos e pregar botões são o básico do básico (e são tudo o que eu sei!). Outra atividade considerada feminina, mas que deveria ser ensinada a todos. Afinal, se um botão cai da sua camisa, o que você, homem que mora sozinho, vai fazer? Levar na costureira? Pedir para a sua mãe colocar de volta? Jogar a camisa fora? Economize tempo e dinheiro (e a paciência da sua mãe) e pregue seus próprios botões!  😀

Fazer orçamento: o primeiro passo para controlar as finanças é fazer um orçamento. Para quem mora sozinho ou quer morar em breve, ter uma noção dos gastos é muito importante, pois manter uma casa é um gasto e tanto. Quem não tem experiência pode começar apenas anotando os gastos diários em um caderno, só para ter uma ideia de onde seu dinheiro está indo. Depois, pode passar tudo para uma planilha do Excel ou usar um desses inúmeros aplicativos de controle de finanças.

Vocês leitores acrescentariam alguma coisa à lista? Me contem nos comentários.

Organizando o armário da cozinha

O único espaço que tenho para guardar mantimentos na minha cozinha é um armário suspenso bem pequeno, de três portas. Por falta de espaço, também guardo os potes de plástico nele (tenho um paneleiro na sala, mas ele já está completamente ocupado por pratos/copos/fôrmas e outras coisinhas, então preciso aproveitar o espaço do meu armarinho da melhor forma possível.

A parte do armário onde eu guardo alimentos como arroz, açúcar, etc. era a mais desorganizada. Os potes que eu usava para armazenar os produtos eram cilíndricos e altos, e eu não podia empilhá-los, eles acabavam ocupando muito espaço. Para resolver isso, comprei um kit de três potes de plástico quadrados, empilháveis, para guardar meus mantimentos melhor. Ficou assim:

 

20151023_223609

Eu ainda não estava contente com essa organização, porque esses três potes maiores ocupavam espaço demais e, por eles terem uma abertura maior, despejar o conteúdo deles para outros recipientes (na hora de cozinhar, por exemplo) era sempre um problema. Então um dia, quando fui fazer compras em uma dessas lojas de coisas baratas para a casa, achei uns potes altos, com tampa dosadora, que em geral são usados para guardar sabão em pó mas podem armazenar alimentos também. Vi que eram o ideal para a minha cozinha, e comprei três pequenos. Um tempo depois, comprei três grandes. Como eles são empilháveis, agora tenho espaço para 6 potes onde antes guardava 3, o que melhorou muito a organização do meu armário.

Aproveitei e comprei etiquetas para identificar o conteúdo dos potes, e hoje a parte de mantimentos do meu armário está mais organizadinha.

20151209_234054

Além disso, substituí minha velhíssima lata reciclada de Pringles que usava para guardar macarrão por um porta-macarrão de verdade. 😀

20151023_180840

Quanto às outras partes do armário, eu ainda preciso me organizar melhor. Na do meio, eu guardo as vasilhas de plástico na prateleira de cima e “coisas de café” (caixa de chá, biscoitos, pão, etc.) e mais algumas vasilhas na de baixo. 20151209_234121

E na porta da direita, fica a minha conhecida caixinha de temperos na parte de baixo, junto com o pote de sal e latas de conservados (atum, etc.), e qualquer outro alimento que precise guardar. Na parte de cima, na caixa, eu guardo ingredientes para receitas (essência de baunilha, fermento, amido de milho, etc.). O restante da prateleira é ocupado por rolos de papel alumínio, filme plástico e papel manteiga.

20151209_234148

Gostaria de ter mais espaço para as minha coisas, mas numa micro cozinha fica difícil… Preciso me virar para otimizar a organização de tudo, mas aos poucos eu vou fazendo isso.

10 coisas que eu aprendi morando sozinha

Semana passada foi meu “aniversário” de 1 ano morando sozinha. Inspirada no post The Things Living Alone Will Teach You About Yourself , do Apartment Therapy, resolvi fazer uma lista das coisas que eu aprendi durante esse primeiro ano.

Morando sozinha, eu aprendi que…

  1. Os maiores problemas vão vir bem no início, e todos de uma vez: vazamento no banheiro, máquina de lavar que não funciona, chuveiro explodindo e mil outras coisas, todas elas apareceram nos primeiros meses depois que eu mudei, e foi bem desesperador. Eu perdi a calma muitas vezes, mas felizmente consegui resolver tudo da melhor forma possível.
  2. Decorar a casa é mais caro e complicado do que eu pensava: eu esperava que conseguiria decorar completamente o apartamento nesse primeiro ano – ledo engano! Ainda faltam algumas coisas, e não é sempre que tenho dinheiro para comprar o que quero (mesmo não querendo coisas caríssimas). É preciso ter paciência, no fim das contas.
  3. Não é fácil achar seu “estilo de decoração”: eu sei de que tipo de coisa eu gosto, mas não sei qual é o meu estilo propriamente dito.  Às vezes eu cometo erros, compro uma coisa e vejo que ela não ficou boa no apartamento, mas vou tentando contornar isso.
  4. Manter a casa limpa, apesar de ser difícil, é o melhor a fazer: minha limpeza diária da casa caiu por terra, porque eu simplesmente não tenho tempo nem disposição para fazer limpeza todos os dias. Agora eu limpo o apartamento e lavo roupa 1x por semana, e tudo bem. O importante é não deixar acumular sujeira, porque no final das contas, só vai sobrar mais trabalho para mim.
  5. É ok deixar certas coisas para depois: tudo bem deixar a louça suja na pia à noite e lavar só no outro dia. Tudo bem esquecer de lavar o pano de prato numa semana, tudo bem só guardar as roupas secas 3 horas depois de recolhê-las da máquina. Não é sempre que eu faço isso, mas às vezes eu estou cansada, e minha sujeira ou bagunça não vai afetar ninguém além de mim.
  6. Comprar e armazenar comida para uma pessoa só é bem complicado: eu gosto bastante de cozinhar, mas nunca acerto na quantidade de comida que devo comprar para a semana. Às vezes compro demais e perco algumas coisas. Às vezes compro pouco e no fim da semana não tem quase nada para comer em casa. Ainda preciso aprender a fazer isso direito.
  7. Lidar com as contas da casa é mais fácil do que eu imaginava: por incrível que pareça, eu efetivamente gosto de ir ao banco e pagar minhas contas. Nunca perco prazos (só uma vez esqueci de pagar a conta de luz no dia do vencimento 😦 ), costumo pagar tudo com pelo menos dois dias de antecedência, e sempre confiro se as contas no débito automático estão sendo pagas.
  8. Às vezes eu não tenho nada para fazer em casa… E isso é bom: de vez em quando fico à toa em casa, e se não quero ler/ver filmes ou séries/jogar no computador eu acabo fazendo um projeto DIY ou lidando com algum problema da casa que adiei. Às vezes fico entediada mesmo, e saio para um cinema ou algo parecido.
  9. Os erros que eu cometi serviram de aprendizado: com o registo de água que não funciona no meu apartamento, aprendi que sempre devo verificar registros quando visitar um lugar para alugar. Aprendi que posso fazer alguns consertos sozinha, e outros eu preciso chamar um profissional para fazer… E assim por diante.
  10. Não há lugar melhor do que o lar: todo dia quando eu saio do elevador e vejo a porta do meu apartamento no fim do corredor, eu já fico feliz. Todo dia quando eu chego em casa, abro a porta e vejo que está tudo do jeito que eu deixei, eu fico feliz. Eu não canso de repetir isso, mas morar sozinha foi a decisão mais certa que tomei, e depois de um ano e todos os problemas que tive que enfrentar, eu não me arrependi nem um pouco, porque eu sei que estou no “meu” lugar.

DIY – Decorando uma parede com estêncil

Na sala/copa do meu apartamento tinha uma parede vazia, e eu fiquei um bom tempo encucada sobre como poderia decorá-la. Minha ideia inicial era colocar um papel de parede bem lindo e colorido, mas ficaria caro demais, então desisti. Depois de muita pesquisa e de ter mil ideias e desistir delas logo depois, resolvi usar a técnica do estêncil.

Me baseei neste tutorial para fazer tudo. Só não quis fazer meu próprio molde, pois não tenho nenhuma habilidade para recortar! Comprei um molde próprio para estêncil em uma loja de artesanato.

Sem mais delongas, as fotos do processo:

Antes: a parede vazia, com o molde do estêncil

Antes: a parede vazia, com o molde do estêncil

 

Depois:  a parede lindamente decorada! :)

Depois: a parede lindamente decorada! 🙂

Detalhe do desenho

Detalhe do desenho

Eu amei o resultado, apesar de não ter ficado perfeito. A linha do alto ficou um pouquinho torta, e sobrou bastante espaço na parte de baixo. Mesmo assim, acho que foi um trabalho muito bom para uma principiante!

Além de tudo, essa decoração foi extremamente barata. O molde custou R$ 4,00 e a tinta spray, R$ 18,00! Se fosse aplicar papel de parede, não sairia por menos de duzentos reais. Estou muito satisfeita!

DIY – Terrário

Ultimamente eu vinha sentindo um pouco de falta de “verde” no meu apartamento – fui criada em uma casa com quintal (“terreiro”, aqui em MG), com pés de frutas e ervas de chá e terra e etc, mas desde quando vim para BH não tive mais nem um vasinho em casa, principalmente por falta de tempo e de jeito para cuidar de plantas.

Minha ideia era ter pelo menos um vaso de flores na sala, mas flores são complicadas porque exigem cuidados específicos e luz direta, coisa que não tem no meu apartamento (ele é bem iluminado durante o dia, mas só com luz indireta). Um dia, enquanto olhava alguns painéis no Pinterest, vi um post sobre terrários, adorei a ideia e decidi que faria um.

Existem vários tutoriais e dicas na internet, eu me baseei neste do blog Encantada Home & Decor. Escolhi fazer meu terrário com cactos e suculentas, justamente porque esses tipos de planta exigem poucos cuidados e não precisam tomar muito sol – são praticamente à prova de gente como eu, que não sabe cuidar de plantas! 😀 E além disso, eu sempre achei suculentas e cactos lindos.

Os materiais são bem fáceis de achar e baratos, com exceção das mudas. Eu comprei 5 (2 cactos, 3 suculentas), que me custaram aproximadamente R$ 35 no total. Quem já tem plantas em casa e for usá-las para fazer um terrário vai economizar bastante nessa parte.

Depois de passar um pequeno sufoco para colocar as plantinhas no lugar (eu realmente não sei plantar, gente, que vergonha), o resultado foi esse:

collage

Meu terrário ❤

Estou satisfeita, acho que meu terrário ficou bem lindo. Li na internet que terrários duram de 2 a 3 anos, espero que consiga cuidar direitinho do meu e que ele viva bastante!

 

Minimalismo para montar meu enxoval

Uma coisa que quase todo mundo possui em excesso são itens de cama/mesa/banho. Em geral, as pessoas montam enxoval quando vão casar, e acabam comprando e ganhando muita coisa, e guardam tudo. Minha mãe, por exemplo: de vez em quando ela tira um ou outro item nunca usado de dentro do guarda roupa, coisas que ela ganhou quando era noiva há mais de 20 anos, e estavam no armário porque eram “muito chiques” para gastar. Eu, quando preciso de panos de pratos novos nem compro, peço alguns para ela porque ela tem dezenas! 😀

Quando vim morar sozinha, precisei decidir o que queria para montar um enxoval básico porque não tinha nada além das toalhas de banho e roupas de cama de solteiro. Minha ideia sempre foi ter apenas o necessário, pois já sabia que não teria espaço sobrando em casa. Inspirada nesse post do site Comprando Meu Apê, criei uma lista de itens de cama/mesa/banho que atenderiam minhas necessidades:

  • 4 jogos de cama (lençol, lençol com elástico, 2 fronhas)
  • 1 cobertor
  • 1 edredom
  • 2 travesseiros
  • 2 protetores de travesseiro
  • 4 jogos de banho (toalha de banho, toalha de rosto)
  • 7 panos de prato
  • 2 conjuntos de luva de cozinha e pegador de panela
  • 1 jogo americano (4 unidades)

Essa semana comprei o edredom, o item que faltava para completar a lista. Tentei economizar o máximo porque esses itens para a casa costumam ser caros, então a maioria deles veio de promoções… Os jogos de banho são os únicos itens que eu já tinha há muito tempo, pretendo trocá-los pois estão bem gastos, mas por enquanto estou economizando dinheiro para outras compras essenciais para o apartamento.

Estou feliz com essa lista porque até hoje não senti falta de nada, nem achei que tenho coisas demais. 🙂

Cronograma de faxina do apartamento

No post sobre limpeza da casa, eu comentei que ainda precisava definir um esquema para os dias de faxina pesada em cada cômodo. Demorei, mas aqui está:

Para começar, estabeleci a frequência com que faria a faxina em cada cômodo. Não queria fazer isso todo mês, até porque não tenho tempo nem é necessário, visto que o apartamento é pequeno e não suja muito por só ter uma pessoa habitando. Então eu fiz uma divisão por trimestres – como são quatro cômodos, a cada três meses eu faço a faxina em um deles. No fim das contas, cada cômodo terá uma limpeza pesada por ano. Acho que isso vai atender minhas necessidades.

Como o primeiro trimestre de 2015 já passou, nesse eu vou fazer faxina em dois cômodos para regularizar a situação.

A ordem da limpeza  e lista de tarefas a cumprir para cada cômodo ficou assim:

  • 1º trimestre  – Banheiro
    • Limpar os azulejos das paredes, esfregar os rejuntes
    • Limpar e esfregar o piso
    • Tirar a cortina do box e limpar
    • Limpar a janela
    • Limpar o armário, verificar validade dos produtos
    • Limpar e desinfetar a lixeira
    • Limpar e desinfetar a escovinha de privada
  • 2º trimestre – Quarto
    • Limpar paredes
    • Limpar a janela
    • Limpar as cortinas
    • Limpar guarda-roupa e sapateira (dentro e fora)
    • Organizar os papéis da escrivaninha
  • 3º trimestre – Cozinha
    • Limpar o armário (dentro e fora)
    • Limpar o forno
    • Limpar os azulejos da parede
    • Limpar e desinfetar a lixeira
  • 4º trimestre  – Sala
    • Limpar as paredes
    • Limpar a janela
    • Limpar internamente a máquina de lavar
    • Limpar o paneleiro (dentro e fora)
    • Limpar a geladeira (dentro e fora)

A lista de tarefas foi inspirada nessa, do blog Organize sem frescuras. Nesse blog tem muitas dicas boas sobre organização e limpeza, e divisão de tarefas.

Lembrando que essas tarefas que listei são só as principais da faxina – não vou deixar de varrer e passar pano no chão, por exemplo, nesses dias! E não vou esperar tudo ficar imundo também, até chegar a época da faxina. Minha ideia é fazer a uma limpeza básica regularmente, e “esfregar tudo de cima a baixo” (como diz a minha mãe) nessas ocasiões. 😀

Tem outras tarefas de limpeza que não faço semanalmente, mas não posso fazer apenas uma vez por ano. O próximo post será sobre elas.

DIY – Tigelas decoradas

O segundo projeto de faça-você-mesmo desse mês (estive inspirada!) é bem mais simples que o primeiro. Tigelas (que o pessoal também chama de “bowls”, não sei qual a necessidade) decoradas estão na moda também, mas costumam ser caras. A boa notícia é que é bem fácil decorá-las – se elas forem de louça, é só usar essas canetas que escrevem em CD!

Comprei quatro tigelinhas brancas e quis decorá-las com bolinhas. Como não sei desenhar, usei adesivos reforçadores para folhas de fichário como molde: colei os adesivos aleatoriamente nas tigelas, desenhei as bolinhas, esperei um pouco e tirei os adesivos.

DSC_0084

Tigelas com os adesivos de molde

Para fixar os desenhos, deixei as tigelas “assando” no forno por 20 minutos (é o que recomendam nos tutoriais que li). Pronto! Tigelas simpaticamente decoradas!

DSC_0085

Resultado! ❤

Quem é mais artista pode se aventurar e desenhar livremente, ou usar outros tipos de adesivo como moldes, usar canetas coloridas… Enfim, são inúmeras possibilidades. Pode-se utilizar essa técnica para tigelas, xícaras e outros objetos de louça. Um tutorial bom: DIY Sharpie Mugs

Minha rotina de lavanderia

Já contei que meu apartamento não tem área de serviço, e este é um problema que ainda estou tentando contornar.

Como não seria possível instalar um varal (não tem espaço!), comprei uma máquina lava-e-seca, para não precisar pendurar as roupas – o problema é que esse tipo de máquina demora muito para secar completamente as roupas, o que resulta num gasto e tanto de energia elétrica.

Para economizar, adotei a seguinte estratégia: a cada semana, lavo um tipo de roupa. Explico: sábado passado eu lavei apenas as roupas de cama, toalhas e panos de cozinha. As roupas “de vestir” e roupas íntimas que usei na semana passada ficaram no cesto e vou juntar com as peças que eu usar nesta semana para lavar tudo de uma vez no próximo sábado. As roupas “da casa” que eu trocar nesse fim de semana ficarão no cesto, para eu lavar na outra semana, e assim por diante.

Resumindo: a cada semana eu lavo um tipo de roupa, com quantidade acumulada de duas semanas.

O único problema até agora são as roupas íntimas – percebi que tenho o suficiente apenas para 2 semanas sem lavar nada! Ainda não fiquei sem nada para usar, mas para evitar esse tipo de problema, vou passar a lavar as lingeries toda semana mesmo, junto com as outras roupas.

Ainda estou tentando acertar o tempo de secagem das roupas também. Por serem feitas de um material que seca fácil (50% algodão, 50% poliéster), as roupas de cama estão secas após 30 min. Já as toalhas demoram mais, então faço o seguinte: coloco as peças para secar num ciclo de 30 min —> quando o ciclo acaba, retiro as peças secas da máquina —> inicio mais um ciclo de 30 min, com as roupas que estavam “meio molhadas” e mais outras. As roupas de vestir demoram ainda mais: preciso de deixar pelo menos 1h secando, separando os jeans de camisas, etc. Depois de todo esse processo, se ainda sobrar alguma roupa não-totalmente-seca, eu abro ela em cima da máquina e deixo lá, tomando um ar. Quem não tem cão… 😀

Por enquanto, esse esquema tem funcionado, mas vou tentar melhorá-lo, para economizar tempo e energia elétrica.