Resultados do desafio Julho sem Plástico

Estou de volta! No mês passado eu decidi participar do desafio Julho sem Plástico, e apesar de estar meio desanimada e não conseguir realizar todas as tarefas que me propus a fazer, achei que deveria mostrar os resultados mesmo assim.

O que deu errado:

  • Pedi delivery com embalagem de isopor/plástico
  • Aceitei sacolas em algumas lojas
  • Aceitei canudos em restaurantes

O que deu certo:

  • Comprei produtos em embalagens de papel/vidro ao invés de plástico
  • Reciclei todos os plásticos
  • Recusei várias sacolas
  • Não usei filme plástico para embalar alimentos

Comentários:

É bem difícil não usar plástico! A maioria dos produtos possui embalagens plásticas, e algumas alternativas são mais caras – por exemplo, farinha de trigo com embalagem de papel. Nos restaurantes, eu só lembrava de recusar os canudos quando já estava usando, e confesso que fiquei com preguiça de deixar de pedir comida só por causa da embalagem. Eu sei que o desafio propunha que fizéssemos um certo sacrifício, mas o mês de julho não foi muito bom para mim, estive muito relapsa,  por isso dei um tempo no blog.

Ainda que o desafio não tenha dado muito certo, quero adotar os hábitos de recusar os canudos e de comprar produtos com embalagens não-plásticas, desde que eles sejam tão baratos quanto as alternativas. Já faz um tempo que recuso as sacolas plásticas, mas ainda não consegui fazer isso com todas que me oferecem. Por fim, vou participar do desafio novamente no próximo ano, espero fazer melhor da próxima!

Anúncios

Desafio: Julho sem Plástico

A Plastic-Free July (Julho Sem Plástico) é uma campanha australiana que visa à conscientização da população sobre o uso excessivo de plástico e seu impacto no meio ambiente. A campanha convida as pessoas a reduzirem o uso de plástico durante o mês de Julho, fornecendo várias dicas e alternativas mais sustentáveis.

Há algumas semanas eu publiquei um post sobre os hábitos sustentáveis que estou adotando, e esse desafio veio em boa hora. O foco nesse mês, ao invés de reciclagem, será a redução do lixo e do consumo de plástico na minha casa.

Para o desafio, eu decidi realizar as seguintes ações:

  • Recusar todas as sacolas plásticas de compras
  • Recusar canudos em lanchonetes/restaurantes
  • Não usar filme plástico para embalar alimentos
  • Comprar refis ou embalagens econômicas de produtos de limpeza e higiene
  • Comprar produtos em embalagens de papel ou metal, para facilitar a reciclagem
  • Evitar embalagens de isopor

No fim de julho vou escrever sobre o que eu fiz efetivamente, o que deu certo e o que deu errado no desafio.  Quem quiser participar do desafio pode se cadastrar no site da campanha para receber dicas e materiais para download.  Outros links interessantes:

Adotando hábitos sustentáveis (I)

Alguém sugeriu que eu falasse sobre consumo consciente e sustentabilidade na pesquisa de público do blog, e apesar ter contato com esses assuntos há pouco tempo, eu venho tentando introduzir algumas práticas mais sustentáveis no meu dia-a-dia. Resolvi colocar “parte I”  no título do post porque vou falar sobre novos hábitos à medida em que eu for praticando!

Eis o que tenho feito atualmente:

Reciclar o lixo: no meu bairro não tem coleta seletiva, mas a um quarteirão do meu prédio tem LEVs – Locais de Entrega Voluntária – para as pessoas deixarem o lixo reciclável. Separo papel, plástico, metal e vidro, guardo em uma ou mais sacolinhas de plástico e levo quando estão cheias. Os LEVs ficam no meu caminho para o trabalho, é tão fácil deixar os recicláveis lá que me sinto culpada por não ter começado antes! Quando passei a separar o lixo pensei em mil coisas, comprar mais lixeiras e outras firulas, mas acabei decidindo só usar as sacolas de plástico que ganho no supermercado e pronto. A lixeira da cozinha agora só recebe orgânicos e não-recicláveis.

Próximos passos: diminuir o lixo orgânico aproveitando mais as cascas e restos de alimentos para outras coisas, como vi nesse post do Um Ano sem Lixo. Gostaria muito de ter uma composteira, mas por enquanto não é possível por causa da falta de espaço, e eu também não teria uso para a terra.

Comprar a granel/em embalagens maiores: eu moro pertinho de um dos lugares que mais gosto em BH: o Mercado Central. Não costumava fazer compras lá quando mudei para o meu apartamento, mas estou criando esse hábito, porque posso comprar coisas a granel, por preços menores que nos supermercados, e com menos embalagens. Um exemplo: chás. Uma caixa de chá de hortelã Leão, com 15g, custa R$ 6,59 no Extra. Além da caixa, temos 15 embalagens de plástico e 15 saquinhos com o chá. Hoje, no Mercado Central, eu comprei 45g de chá por R$ 9,50 , cada tipo de chá com apenas um saquinho plástico.

20170529_223621

Meus chás

Próximos passos: Ainda recebo bastante plástico nessas minhas compras a granel, mas por enquanto não tem como fugir disso. Eu gostaria poder comprar nessas lojas onde a gente leva o vidro, eles enchem e cobram pelo peso do produto, mas não sei de nenhuma assim em BH. Agora eu quero reduzir as embalagens de produtos de limpeza e comprar as maiores de sabão e detergente, e também tentar fazer alguns desses produtos em casa, mas não sei se terei tempo.

Usar sacola ecológica/carrinho de compras: aquela sacola ecológica que comprei de lembrança em Curitiba está sendo muito bem usada – quando vou fazer compras, já levo a sacola para evitar pegar as de plástico. O carrinho eu uso há mais tempo, e é uma mão na roda porque além de facilitar na hora de carregar peso, elimina a necessidade de pegar muitas sacolas plásticas quando faço uma compra grande.

Próximos passos: recusar as sacolinhas mais vezes! Às vezes os vendedores embalam tão rápido que fico com vergonha de falar que não quero a sacola plástica, mas já estou me acostumando.

Comprar em sacolões/açougues ao invés de supermercados: além de pagar mais barato nos produtos, quando compro nesses lugares eu posso simplesmente deixar de pegar algumas embalagens. Tem um sacolão do lado do meu prédio, então quando eu vou lá eu escolho os produtos, coloco tudo na cestinha (sem os saquinhos), a caixa pesa os produtos do mesmo preço todos juntos e eu ponho tudo na minha sacola ecológica. Só vantagens.

Próximos passos: fazer compras nesses lugares mais vezes. Às vezes eu não me planejo e acabo indo ao supermercado porque não tive tempo de passar nos outros lugares.

Reutilizar embalagens dos produtos que compro: faço isso principalmente com os potes de molhos, geleias e afins, que costumam ser de vidro. Quando faço molho de pimenta ou pesto, uso esses potes. Também uso para colocar sal e outros temperos.

Próximos passos: verificar se existem mais coisas que podem ser reutilizadas.