Aplicativos que me ajudam a me organizar

Assim como a maioria das pessoas, adoro as facilidades que smartphones e aplicativos oferecem mas, tirando as redes sociais, gosto de ter no meu telefone apenas apps úteis  – quando percebo que não estou usando um aplicativo, desinstalo. Odeio ocupar memória e espaço de tela do meu celular à toa. Vou listar aqui quatro aplicativos que me ajudam a cumprir minhas tarefas e a manter minha vida organizada.

Habitica

Esse aplicativo para controlar tarefas e hábitos é excelente. Ele funciona como um jogo de RPG: você tem um personagem e, a cada tarefa que realiza, ganha moedas e experiência. Se você deixar de realizar as tarefas, perde pontos de vida. É bem divertido, e as recompensas funcionam como um incentivo a mais para manter seus hábitos em dia!

Meu perfil e tarefas no Habitica

Meu perfil e tarefas no Habitica

Pact

Esse foi o app que salvou minhas idas à academia. Você “aposta” com o Pact quantos dias irá malhar por semana – se você cumprir a aposta, ganha dinheiro (alguns centavos de dólar). Se você não cumprir, perde pelo menos 5 dólares para cada dia que não foi! Esse app só serve para os muito disciplinados ou muito pão-duros (meu caso). Graças a ele, estou indo direitinho no Krav-Maga e na musculação.

Screenshot_2016-03-04-21-40-41

Uma semana de exercícios concluídos no Pact

Meu Calendário Menstrual

Uso esse app principalmente para controlar os dias de tomar meu anticoncepcional e fazer previsão de quando a minha menstruação vai vir, mas ele também permite adicionar diariamente sintomas de TPM, humor, peso e temperatura, além de outras opções.

Screenshot_2016-03-04-21-44-42

Tela principal do Meu Calendário Menstrual

Duolingo

Eu costumava usar a versão web, mas sempre esquecia e ficava semanas sem treinar francês, e meu nível de conhecimentos acabava diminuindo… Treinando pelo celular eu mantenho uma frequência melhor, e os exercícios são mais dinâmicos, o que aumenta a minha vontade de praticar.

Screenshot_2016-03-04-21-37-38

Progresso no Duolingo

E vocês, leitores? Quais aplicativos  mais ajudam no dia-a-dia?

Anúncios

Minhas rotinas diárias

No fim do ano passado, a empresa onde eu trabalho mudou de sede, ficou um pouco mais longe da minha casa. Precisei adaptar meus horários, mas acabei trocando os pés pelas mãos e, junto com meu namorado de férias, minhas próprias férias chegando e meus horários na academia, minha rotina ficou completamente louca.

Eu dormia tarde, não dormia bem, acordava atrasada, ficava cansada o dia inteiro e não tinha ânimo para trabalhar nem fazer exercícios físicos durante a semana, e no sábado e domingo aproveitava para “descansar” e complicava ainda mais meus horários.

No fim de Janeiro eu resolvi dar um basta nessa situação e estabeleci duas rotinas para seguir diariamente, uma de manhã, a outra à noite. A da noite é a mais difícil, porque gosto de ver séries e ficar na internet vendo sites/blogs/redes sociais, me distraio e acabo indo dormir muito tarde.

Essas são minhas rotinas diárias (de segunda a sexta):

Manhã:
  • 7:00 – Acordar e levantar
  • Ir ao banheiro/lavar o rosto
  • Colocar a água do chá para ferver
  • Me vestir
  • Fazer o chá
  • Arrumar a cama
  • Preparar lanche para levar para o trabalho
  • Comer o café-da-manhã
  • Escovar os dentes/pentear o cabelo
  • Lavar a louça
  • Sair para o serviço

Noite:
  • Chegar do serviço/academia
  • Tomar banho e vestir o pijama
  • Preparar o jantar
  • Assistir a alguma série/ler/jogar
  • Preparar a marmita do dia seguinte
  • Lavar a louça
  • Escovar os dentes
  • 23:45-  Apagar as luzes e deitar

Estou tentando administrar melhor meu tempo, mas já consigo dormir mais cedo e acordar todos os dias no mesmo horário. Também estou indo direitinho na academia! Só sinto falta de ter mais tempo de descanso à noite. Chego em casa lá pelas oito, pisco e já é hora de dormir! Acho que não tem como fugir muito disso quando se trabalha 8h/dia…

10 coisas que eu aprendi morando sozinha

Semana passada foi meu “aniversário” de 1 ano morando sozinha. Inspirada no post The Things Living Alone Will Teach You About Yourself , do Apartment Therapy, resolvi fazer uma lista das coisas que eu aprendi durante esse primeiro ano.

Morando sozinha, eu aprendi que…

  1. Os maiores problemas vão vir bem no início, e todos de uma vez: vazamento no banheiro, máquina de lavar que não funciona, chuveiro explodindo e mil outras coisas, todas elas apareceram nos primeiros meses depois que eu mudei, e foi bem desesperador. Eu perdi a calma muitas vezes, mas felizmente consegui resolver tudo da melhor forma possível.
  2. Decorar a casa é mais caro e complicado do que eu pensava: eu esperava que conseguiria decorar completamente o apartamento nesse primeiro ano – ledo engano! Ainda faltam algumas coisas, e não é sempre que tenho dinheiro para comprar o que quero (mesmo não querendo coisas caríssimas). É preciso ter paciência, no fim das contas.
  3. Não é fácil achar seu “estilo de decoração”: eu sei de que tipo de coisa eu gosto, mas não sei qual é o meu estilo propriamente dito.  Às vezes eu cometo erros, compro uma coisa e vejo que ela não ficou boa no apartamento, mas vou tentando contornar isso.
  4. Manter a casa limpa, apesar de ser difícil, é o melhor a fazer: minha limpeza diária da casa caiu por terra, porque eu simplesmente não tenho tempo nem disposição para fazer limpeza todos os dias. Agora eu limpo o apartamento e lavo roupa 1x por semana, e tudo bem. O importante é não deixar acumular sujeira, porque no final das contas, só vai sobrar mais trabalho para mim.
  5. É ok deixar certas coisas para depois: tudo bem deixar a louça suja na pia à noite e lavar só no outro dia. Tudo bem esquecer de lavar o pano de prato numa semana, tudo bem só guardar as roupas secas 3 horas depois de recolhê-las da máquina. Não é sempre que eu faço isso, mas às vezes eu estou cansada, e minha sujeira ou bagunça não vai afetar ninguém além de mim.
  6. Comprar e armazenar comida para uma pessoa só é bem complicado: eu gosto bastante de cozinhar, mas nunca acerto na quantidade de comida que devo comprar para a semana. Às vezes compro demais e perco algumas coisas. Às vezes compro pouco e no fim da semana não tem quase nada para comer em casa. Ainda preciso aprender a fazer isso direito.
  7. Lidar com as contas da casa é mais fácil do que eu imaginava: por incrível que pareça, eu efetivamente gosto de ir ao banco e pagar minhas contas. Nunca perco prazos (só uma vez esqueci de pagar a conta de luz no dia do vencimento 😦 ), costumo pagar tudo com pelo menos dois dias de antecedência, e sempre confiro se as contas no débito automático estão sendo pagas.
  8. Às vezes eu não tenho nada para fazer em casa… E isso é bom: de vez em quando fico à toa em casa, e se não quero ler/ver filmes ou séries/jogar no computador eu acabo fazendo um projeto DIY ou lidando com algum problema da casa que adiei. Às vezes fico entediada mesmo, e saio para um cinema ou algo parecido.
  9. Os erros que eu cometi serviram de aprendizado: com o registo de água que não funciona no meu apartamento, aprendi que sempre devo verificar registros quando visitar um lugar para alugar. Aprendi que posso fazer alguns consertos sozinha, e outros eu preciso chamar um profissional para fazer… E assim por diante.
  10. Não há lugar melhor do que o lar: todo dia quando eu saio do elevador e vejo a porta do meu apartamento no fim do corredor, eu já fico feliz. Todo dia quando eu chego em casa, abro a porta e vejo que está tudo do jeito que eu deixei, eu fico feliz. Eu não canso de repetir isso, mas morar sozinha foi a decisão mais certa que tomei, e depois de um ano e todos os problemas que tive que enfrentar, eu não me arrependi nem um pouco, porque eu sei que estou no “meu” lugar.

Quanto tempo eu fico no celular?

Há alguns dias eu estava lendo um post de blog sobre o tempo em que as pessoas passam usando celulares/tablets/etc. e sobre a necessidade de estar sempre conectado e saber de tudo(infelizmente não lembro onde, senão postaria o link), e resolvi descobrir quanto tempo eu gasto mexendo no meu celular.

Procurei um aplicativo de medição de uso do celular – o Quality Time (aqui, para Android) e instalei no meu aparelho. Ele faz medições diárias e um resumo do uso semanal. O resultado foi esse:

Screenshot_2015-06-25-10-35-58

Tempo total de uso durante a semana

Screenshot_2015-06-25-10-36-07

Quantas vezes abri cada aplicativo

Screenshot_2015-06-25-10-36-12

Quantas vezes desbloqueei o aparelho

Não fiquei muito surpresa com os aplicativos que mais uso, eu já sabia que passo bastante tempo em redes sociais, e o Whatsapp é, hoje, minha principal forma de comunicação com as outras pessoas. O uso de Facebook e Twitter não foram tão altos (acho), mas só porque eu mexo mais nessas redes pelo computador, só abro no celular quando não tenho um PC por perto, mas reconheço que mexo um pouco demais. Sempre que não tenho nada para fazer, abro uma rede social.

O que me surpreendeu mesmo foi o número de desbloqueios de tela. Como o meu celular não funciona muito bem (lag nas telas, travamentos, aplicativos que param e não mostram notificações), eu peguei a mania de desbloqueá-lo só para ver se tem alguma notificação – e na maioria das vezes, não tem. Faço isso principalmente quando eu estou ansiosa para receber uma mensagem, e acabo interrompendo muitas vezes o que estou fazendo sem necessidade, mas só com o Quality Time eu percebi que passei dos limites!

Agora quero diminuir esse “uso à toa” do celular, começando por desbloquear menos o aparelho (espero vibrar ou aparecer a luz de notificação) e mexer um pouco menos nas redes sociais. Também estou tentando parar com a mania de rolar a tela para baixo no Facebook/Twitter/Tumblr até achar algo que já vi. É difícl, confesso, mas esse é um hábito desnecessário que preciso cortar. Não vou ser “minimalista zen” e largar as redes sociais (risos), mas espero pelo menos parar com o “deixa eu olhar se alguém me mandou algo no whatsapp” – afinal, as notificações do celular existem justamente para evitar que eu perca esse tempo.

Destralhando roupas e minha lojinha no Enjoei

Quando preciso me desfazer de roupas/sapatos/acessórios, fico na dúvida sobre qual destino devo dar a eles. Os itens mais estragados ou velhos eu costumo jogar fora. Quando alguma coisa está utilizável ainda, mando para a doação. Mas o que fazer com as peças novas/pouco usadas?

Fico com dó de levar as roupas ou sapatos mais novos para bazares, porque eles pagam muito pouco, ou nem aceitam (e um dinheiro extra é sempre bem vindo). Por causa disso, criei recentemente uma loja no Enjoei, para tentar vender peças que estavam paradas no guarda roupa há algum tempo. Espero que a lojinha dê certo e eu consiga vender o que quero.

Para acessar a minha lojinha, é só clicar aqui ou na imagem que está na coluna direita da página, abaixo de “Estatísticas do Blog”.

Minha rotina de lavanderia

Já contei que meu apartamento não tem área de serviço, e este é um problema que ainda estou tentando contornar.

Como não seria possível instalar um varal (não tem espaço!), comprei uma máquina lava-e-seca, para não precisar pendurar as roupas – o problema é que esse tipo de máquina demora muito para secar completamente as roupas, o que resulta num gasto e tanto de energia elétrica.

Para economizar, adotei a seguinte estratégia: a cada semana, lavo um tipo de roupa. Explico: sábado passado eu lavei apenas as roupas de cama, toalhas e panos de cozinha. As roupas “de vestir” e roupas íntimas que usei na semana passada ficaram no cesto e vou juntar com as peças que eu usar nesta semana para lavar tudo de uma vez no próximo sábado. As roupas “da casa” que eu trocar nesse fim de semana ficarão no cesto, para eu lavar na outra semana, e assim por diante.

Resumindo: a cada semana eu lavo um tipo de roupa, com quantidade acumulada de duas semanas.

O único problema até agora são as roupas íntimas – percebi que tenho o suficiente apenas para 2 semanas sem lavar nada! Ainda não fiquei sem nada para usar, mas para evitar esse tipo de problema, vou passar a lavar as lingeries toda semana mesmo, junto com as outras roupas.

Ainda estou tentando acertar o tempo de secagem das roupas também. Por serem feitas de um material que seca fácil (50% algodão, 50% poliéster), as roupas de cama estão secas após 30 min. Já as toalhas demoram mais, então faço o seguinte: coloco as peças para secar num ciclo de 30 min —> quando o ciclo acaba, retiro as peças secas da máquina —> inicio mais um ciclo de 30 min, com as roupas que estavam “meio molhadas” e mais outras. As roupas de vestir demoram ainda mais: preciso de deixar pelo menos 1h secando, separando os jeans de camisas, etc. Depois de todo esse processo, se ainda sobrar alguma roupa não-totalmente-seca, eu abro ela em cima da máquina e deixo lá, tomando um ar. Quem não tem cão… 😀

Por enquanto, esse esquema tem funcionado, mas vou tentar melhorá-lo, para economizar tempo e energia elétrica.

Medidas para economizar mais

De tempos em tempos eu avalio as minhas finanças, vejo onde estou gastando mais e tento cortar as despesas onde posso. Ultimamente, adotei as seguintes medidas para tentar gastar menos:

Levar comida para o trabalho: Comprei uma marmita e estou levando o almoço para o trabalho, ao invés de comer em restaurantes.  Tenho que comer na escada de incêndio mesmo, mas é tranquilo e, além disso, é de graça né? No final do mês eu vou calcular a economia que estou fazendo, e faço um post sobre isso.

Pegar menos ônibus: Eu moro bem longe do meu trabalho. Quando eu ainda estudava, para não chegar tarde, eu pegava dois ônibus, ou metrô e um ônibus para chegar lá a tempo. Agora que estou com um horário mais folgado, pego apenas o metrô e da estação vou andando até a empresa (é perto, uns 15 min de caminhada). Na volta também vou andando até o ponto de ônibus. Pensei em voltar de metrô para casa, mas é mais cansativo – eu teria que andar da estação até a minha casa, enquanto o ônibus para praticamente na porta.

Aderir ao pacote de serviços essenciais no banco: A minha conta corrente é do tipo universitária. Desde quando eu a criei, o Banco do Brasil me cobrava R$ 3,80 (recentemente aumentou para R$4,00) como taxa do pacote de serviços. No meio do ano, descobri que existem os “serviços essenciais”, que todo banco deve fornecer de graça para quem tem conta corrente (mais informações no site do Banco Central, item 2). É claro que os bancos não divulgam isso, né? Então, depois de 4 anos de conta, cancelei o pacote de serviços que eu tinha para ficar somente com o essencial. Acredito que a partir desse mês o banco não irá me cobrar mais nada. Triste é ter descoberto isso só agora. :/

 Estou contando que vou fazer uma boa economia com essas três medidas que adotei. Se alguma leitora ou leitor do blog tiver mais dicas, por favor compartilhe, quero novas ideias!

Organizar a vida em 7 dias – Dia 6

Inspirado nesse post.

Estabelecendo uma rotina de limpeza.

Moro em uma república, então não preciso limpar a casa toda semana. Fazemos uma escala de limpeza e, coincidentemente, esta semana foi a minha.  As tarefas básicas para a limpeza da casa são as seguintes:

  • Varrer e passar pano (ou lavar, quando necessário) o chão da cozinha e da área de serviço;
  • Limpar o fogão, a pia e os armários da cozinha;
  • Varrer e passar pano no chão da sala/copa e do corredor;
  • Tirar poeira dos móveis;
  • Lavar o banheiro;
  • Tirar o lixo;

Fora da esfera de limpeza “coletiva”, a minha rotina é: limpar o meu quarto semanalmente, lavar e guardar as roupas. Só passo roupa ocasionalmente, quando preciso usar alguma coisa especial que não pode estar amarrotada. Fora isso, não me dou esse trabalho!

Problemas: por causa do movimento intenso nas ruas, a casa acumula muita poeira, então a limpeza não dura tanto. E como em toda república, sempre tem uma ~espertinha~ que não faz o serviço e deixa para as outras. A única coisa que posso fazer é tentar não me estressar com isso.

 

Organizar a vida em 7 dias – Dia 3

Inspirado nesse post.

Estabelecendo rotinas diárias

As rotinas que eu sigo são, basicamente, as seguintes:

  • Rotina da manhã: acordo, tomo o café, faço a higiene matinal e vou para a aula. Geralmente eu deixo para lavar a louça que usei na hora do almoço. Quando volto da aula, almoço rápido, lavo todas as vasilhas e vou para o estágio.
  • Rotina da noite: chego do trabalho, esquento o jantar, tomo banho e fico lendo/vendo TV/assistindo séries até a hora de dormir.
  • Rotina do fim-de-semana:  faço os trabalhos domésticos, vou ao supermercado e ao sacolão e compro o que vou precisar para a semana, lavo roupa. E, a partir desse sábado, irei para a academia na parte da manhã.
  • Rotina de limpeza: já que moro em república, não preciso limpar a casa toda semana. Quando é a minha vez, eu lavo o banheiro, varro e passo pano no chão da casa, tiro a poeira dos móveis e limpo a cozinha e a área de serviço (para essas últimas, costumo lavar o chão também). O meu quarto eu limpo toda semana.

As mudanças que farei nas minhas rotinas são poucas, como citei no post anterior: acordar mais cedo, não deixar a louça acumular, fazer pelo menos uma hora de estudo à noite, adaptar os horários das minhas tarefas de sábado.

Organizando a minha vida em 7 dias

Enquanto olhava as novidades nos blogs sobre minimalismo que costumo ler, achei esse post no The Busy Woman and the Stripy Cat e resolvi usar as dicas para tentar organizar um pouco a minha vida.

Desde o início do semestre, com o novo estágio e as novas obrigações, comecei a enrolar demais e não estou dando conta de nem metade as minhas tarefas! Preciso me organizar urgentemente, começando hoje, sem falta.